Fale com a gente
Gráfica Pontual

PitStop

GP do Azerbaijão de 2021 – um espetáculo

As cenas foram dignas de um filme de ação e suspense

Publicado

em

Camargo Café

Temos um campeonato, senhoras e senhores! E que campeonato! As cenas deste domingo (06) foram dignas de um filme de ação e suspense. Nem o melhor diretor poderia dirigir uma sequência tão impressionante como o abandono de Verstappen, o erro de Hamilton na relargada e a vitória caindo no colo de Sérgio Perez. Sensacional.

Baku é um circuito único e que sempre entrega um bom espetáculo. Suas características marcantes são o fato de ficar abaixo do nível do mar, os fortes ventos, e a combinação de retas longas (a principal delas tem 2km de extensão) e curvas apertadas. O trecho mais estreito da pista tem apenas 8m. Um verdadeiro quebra cabeça para pilotos, engenheiros e equipes, o que faz com que todas as corridas realizadas nesse circuito tenham muita ação em pista. Esse ano não foi diferente. Well done Baku!

Gestante Mania

Perez coroou com uma vitória aquele que foi o seu melhor fim de semana pela Red Bull até aqui. O mexicano andou muito bem nos treinos livres, mas foi prejudicado pela bandeira vermelha no Q3 de sábado. No domingo,  foi muito consistente ao longo da corrida. Espero que ele possa frequentar o lugar mais alto do pódio mais vezes ao longo do ano.

Sergio Perez: a vitória lhe cai bem | Red Bull Racing – Twitter

Uma curiosidade: Perez é o primeiro piloto a vencer corridas por duas equipes diferentes (Racing Point e Red Bull) desde que a F1 adotou o regulamento de motores híbridos, em 2014. De lá pra cá, apenas Hamilton (Mercedes), Rosberg (Mercedes), Bottas (Mercedes), Vettel (Ferrari), Raikkonen (Ferrari), Leclerc (Ferrari), Ricciardo (Red Bull), Verstappen (Red Bull), Gasly (Alpha Tauri) e, por fim, Sergio Perez (Racing Point e Red Bull).

Vettel tem muitos motivos para comemorar. Pela primeira vez desde o GP do Brasil de 2019, o alemão voltou a liderar uma corrida. Sua segunda colocação na prova de hoje foi o primeiro pódio da Aston Martin na história F1. Além disso, depois dos anos de dificuldades na Ferrari, vê-lo comemorar cada pequena vitória com sua nova equipe é demais. Quem não fica feliz com o alemão reencontrando seu caminho na F1, certamente bom sujeito não é.

Dias de luta, dias de glória para o alemão Sebastian Vettel. | Aston Martin Racing – Twitter

Gasly em terceiro. O francês é bom de braço e já é responsável por 60% dos pódios do time B da Red Bull, se somarmos os resultados de Toro Rosso e Alpha Tauri. Brabo. Será que ele pensa em alçar voos mais altos na F1? A equipe B da Red Bull parece ser pouco para ele e, tampouco Helmut Marko vai dar o braço a torcer e recoloca-lo no time principal.

Se você, andando com o seu carro, corre perigo com um furo de pneu a 80kmh, o que dizer de um F1 a mais de 300kmh? Não é nada seguro que os pneus estourem na pista, ainda mais na maior reta do campeonato. Stroll e Verstappen correram sério risco ao se tornarem passageiros de um F1 a mais de 300 por hora. Por sorte, nada de mais grave aconteceu. A Pirelli está investigando o caso e, até o momento, a hipótese mais provável é que os dois acidentes tenham acontecido devido a detritos na pista.

Verstappen teve problemas com seu pneu traseiro esquerdo e abandonou a prova a 5 voltas do fim | Red Bull Racing

Por mais incrível que pareça, Hamilton foi o maior vencedor deste fim de semana. A Mercedes não se encontrou durante o fim de semana inteiro, largou na P2 graças à bandeira vermelha causada por Yuki Tsunoda no sábado.

No domingo, o inglês largou bem e logo se apossou da primeira posição. Mas após a primeira rodada de pit stops, caiu para a terceira colocação e por lá ficou em boa parte da prova. Chegando no fim da prova, Max Verstappen teve um problema com os pneus e a sorte sorriu para o piloto inglês da Mercedes.

E, quando parecia que ele seria sairia do Azerbaijão com larga vantagem sobre Verstappen no campeonato, um esbarrão no botão que realiza o ajuste de freio o fez passar reto na relargada e cair para o fim do pelotão.

Se a gente analisar o fim de semana em Baku como um todo, em que a Red Bull claramente teve mais carro que a Mercedes, ir para a França com os mesmos quatro pontos de diferença que havia antes da corrida de ontem não parece um mau negócio.

Hamilton passou reto na relargada e caiu para o final do pelotão | Lewis Hamilton – twitter

Bottas, Bottas… tudo bem que o acerto de seu carro não favorecia em nada ao proporcionar menos velocidade de reta. Mas passar a corrida toda plantado na 10 colocação, e terminar atrás até mesmo de Kimi Raikkonen – em franco declínio – é vexaminoso. Será que ele chega até o final do ano?

Em que pese a pole de Charles Leclerc, a Ferrari não teve um bom ritmo de corrida e o resultado do fim de semana só não foi pior graças à falta de ritmo da McLaren. Carlos Sainz cometeu mais um pequeno erro que lhe custou algumas posições, mas ainda assim o espanhol vem fazendo um bom campeonato até aqui.

Apesar das críticas, não acho que o desempenho de Daniel Ricciardo seja tão vergonhoso assim. Ele está empatado com Lando Norris em classificações, mas precisa se adaptar melhor ao carro e à equipe. Foi assim em sua chegada à Renault também. Precisamos ser pacientes. Lando Norris, por sua vez, teve um desempenho discreto. A McLaren certamente tem dever de casa a ser feito.

No fim do pelotão, o pontinho conquistado por Kimi Raikkonen e a Alfa Romeo vai fazendo com que a equipe italiana vá se desgarrando aos poucos de Williams e Haas, que ainda não pontuaram no campeonato.

Os pneus Pirelli apresentaram problemas? O que levou a Mercedes a ter um fim de semana tão apagado? As asas flexíveis continuarão sendo o assunto do momento? São perguntas que serão respondidas ao longo dos próximos dias. A próxima corrida será o GP da França, no dia 20 de junho. Até lá, muita água vai passar por debaixo da ponte. Que campeonato, meus amigos. O melhor da era híbrida da F1 até aqui.

E você, o que achou do GP do Azerbaijão?

1º Banner
Continue Lendo

Mercadão dos Óculos
Certo Imóveis – Feirão