Fale com a gente
dengue

PitStop

Teremos disputa pelo título? Comentários sobre o GP do Bahrein

O que você não leu na mídia especializada, você encontra aqui.

Publicado

em

Apenas 7 décimos de segundo separaram Hamilton e Verstappen ao fim de um emocionante GP do Bahrein. Créditos: Divulgação

Se você não assistiu ao GP do Bahrein do último domingo, lamento em dizer: mas você perdeu uma baita corrida! Com emoção e disputas do começo ao fim. Não vou contar como foi a prova, isso vocês já devem ter visto em vários lugares. Vou me limitar a fazer alguns comentários sobre a corrida:

  • Quero começar a escrever essas linhas falando um pouco sobre a histórica transmissão que a Band fez nesse fim de semana. Histórica por algumas razões:

1) Foi a primeira vez em 40 anos que uma prova do mundial de F1 foi transmitida pela Band;

Primeiro Banner

2) Certamente os fãs do automobilismo ficaram contentes com uma cobertura tão ampla e com tanto conteúdo por parte da Band. A transmissão começou horas antes da largada e seguiu após o pódio. Uma delícia.

3) A F1 na Band é bom para todo mundo: bom para os fãs da velocidade, que receberão um produto com melhor tratamento do que antes, bom para a Band, que aumentou sua audiência em 200%, bom para a própria Globo, que continuou a marcar a mesma audiência sem precisar investir na categoria e, por fim, bom para a própria F1, que garante a permanência da transmissão em TV aberta em um dos maiores mercados consumidores da F1.

  • Precisamos falar sobre Nikita Mazepin. Que o russo só está lá pelo dinheiro que possui, a gente já sabe. Mas rodar cinco vezes no mesmo fim de semana, e não passar da terceira curva na corrida é feio demais. A Haas só não vai ter problemas com funilaria e pintura, pois o pai do russo é quem está bancando tudo. Inclusive, já estão chamando o russo de MazeSpin (spin significa rodada, em inglês). Você pode conferir todas as rodadas que o russo deu neste ano aqui: http://mazesp.in/
  • Que Fernando Alonso abandonou por um problema no freio todos sabemos. Mas, o abandono do espanhol não foi motivado por nenhuma falha mecânica, não. É que uma embalagem de sanduíche estava perambulando pelo circuito e acabou ficando presa no duto responsável pelo resfriamento dos freios traseiros. Desse modo, os freios superaqueceram, e o espanhol precisou abandonar. Um carro de F1 é uma peça tão complexa, projetada em seus mínimos detalhes para funcionar no limite da confiabilidade, que um simples saco plástico termina com um fim de semana inteiro de muito trabalho.

Fernando Alonso teve problemas com os freios de sua Alpine. Créditos: Alpine/Reprodução
  • Destaque para a corrida de recuperação do mexicano Sergio Perez. Sua Red Bull teve problemas elétricos na volta de apresentação e o carro ficou parado na pista. Em vez de descer do carro, o mexicano “reiniciou” os sistemas do seu RB16B e, com isso, o motor voltou a funcionar. Isso permitiu com que Checo largasse do pitlane e, com grandes ultrapassagens, galgar o pelotão até uma excelente 5ª colocação.
  • Menção honrosa à corrida do estreante Yuki Tsunoda. O japonês da Alpha Tauri mostrou a que veio e realizou grandes ultrapassagens em sua primeira corrida, com destaque para as manobras realizadas sob Lance Stroll e Fernando Alonso. Olho nele!
  • Quantas vezes você viu Lewis Hamilton cometer um erro? Poucas, eu sei. Pois bem, na volta 51 – a 5 voltas do fim – a pressão imposta por Max Verstappen e pela Red Bull eram tão grandes, que o piloto escapou da pista na saída da curva 10, facilitando a aproximação  do holandês voador. Mais um sinal de que teremos disputa pelo campeonato esse ano.
  • Por incrível que pareça, uma vitória de Hamilton na corrida de abertura do campeonato era um resultado surpreendente, principalmente após a classificação de sábado, em que Max Verstappen colocou 4 décimos de segundo entre ele e Hamilton. A Red Bull é, sim, o carro mais equilibrado do momento, mas a Mercedes tem uma grande capacidade de reação e pode recuperar terreno. A tendência é que a disputa siga muito justa nas próximas etapas do campeonato.
Verstappen colocou muita pressão em Hamilton, mas não conseguiu a vitória. Créditos: F1/Divulgação
  • E, por último, mas, não menos importante: Hamilton é Hamilton. Em momentos como o deste último domingo fica claro o porquê dos seus sete títulos mundiais. Qualquer outro piloto em seu lugar teria perdido a corrida para Verstappen. Mas, Hamilton não. Soube se posicionar em todos os momentos da disputa de posição, inclusive oferecendo o lado de fora da pista para Verstappen tentar a ultrapassagem na curva 4. Um espetáculo. O inglês prova, mais uma vez, que seus serviços valem cada centavo pago pela Mercedes.

Sorte a nossa em poder acompanhar um piloto tão talentoso escrevendo a história na nossa frente.

Bruno Pacheco/Portal Rondon

Refran