Fale com a gente
Imobiliária Bom Negócio

Mundo

Visionário diretor de teatro britânico Peter Brook morre aos 97 anos

Brook fez peças em ginásios, fábricas desertas, pedreiras, escolas e antigas fábricas de gás em cidades ao redor do mundo

Publicado

em

|Foto: Juan Manuel Serrano Arce/Getty Images|
Camargo Café

Peter Brook, um dos diretores de teatro mais inovadores do mundo que aperfeiçoou a arte de encenar dramas poderosos em locais bizarros, morreu aos 97 anos, disse sua editora no domingo (3).

O diretor britânico usou o mundo como suas produções de montagem de palco, desde versões desafiadoras de Shakespeare até óperas internacionais e poemas épicos hindus.

Mercadão dos Óculos

Brook fez peças em ginásios, fábricas desertas, pedreiras, escolas e antigas fábricas de gás em cidades ao redor do mundo.

Sua produção de Stratford de 1970 de “Sonho de uma noite de verão”, de Shakespeare, interpretada toda de branco e com um enorme balanço de guirlanda, garantiu seu lugar nos anais da história do teatro.

Segundo o Le Monde, Brook – que estava radicado na França desde 1974 – morreu em Paris no sábado (2). Uma declaração de seu editor confirmou sua morte neste domingo.

Embora Brook fosse visto com admiração nos círculos teatrais, ele era menos conhecido entre o público em geral por causa de sua recusa em se curvar ao gosto comercial. Ele deixou a Grã-Bretanha para trabalhar em Paris em 1970.

Ele muitas vezes evitou edifícios teatrais tradicionais para o “espaço vazio” que poderia ser transformado pela luz, palavras, improvisação e o puro poder de atuação e sugestão.

“Posso pegar qualquer espaço vazio e chamá-lo de palco”, escreveu ele em seu livro inovador de 1968 “The Empty Space”.

Sua busca por inspiração o levou a lugares tão distantes quanto a África e o Irã e produziu uma variedade de peças improvisadas originais marcadas por seu olhar para detalhes e abordagem desafiadora.

Nascido em Londres em 21 de março de 1925, seu pai era diretor de uma empresa e sua mãe uma cientista. Ele deixou a escola aos 16 anos para trabalhar no estúdio de cinema e depois foi para a Universidade de Oxford e se formou em Inglês e Línguas Estrangeiras.

Em 1970 transferiu-se da Grã-Bretanha para trabalhar em Paris, fundando o Centro Internacional de Pesquisa Teatral, que reunia atores e designers de diversas nacionalidades.

Brook continuou trabalhando em seus noventa anos.

“Toda forma de teatro tem algo em comum com uma visita ao médico. Na saída, deve-se sempre se sentir melhor do que na entrada”, escreveu ele em seu livro ‘A Ponta da Língua’, de 2017.

Marki Farma 2022
Continue Lendo

Doce Arte
Doce Arte