Fale com a gente
Prefeitura de Toledo

Mundo

Europa vê a China através de lentes russas, e Pequim não está feliz

Reunião do G7 inclui linguagem dura contra a China em comunicado, dando a entender que aliados da Otan se preocupam com aproximação chinesa com Moscou

Publicado

em

|Foto: Denis Doyle/Getty Images|
Martin Luther – Enem

Conforme os líderes das principais democracias ocidentais e seus aliados se reúnem em duas cúpulas consecutivas nesta semana na Europa, o foco deles é claro: manter a pressão sobre a Rússia enquanto seu ataque brutal à Ucrânia entra em seu quinto mês.

Mas outro país também ganhou destaque nessas reuniões: a China. E Pequim não está feliz com isso.

Kyuu – Dia do Namorados

Pela primeira vez, espera-se que o “desafio” da China apareça no “Conceito Estratégico” da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), programado para ser divulgado na cúpula do bloco em Madri, na Espanha, nesta semana. O documento, atualizado pela última vez em 2010, apresenta os desafios de segurança enfrentados pela aliança, ao mesmo tempo em que descreve um curso de ação.

E na terça-feira (28), as principais economias democráticas do G7 incluíram linguagem dura contra a China em seu próprio comunicado, dias depois de lançar um plano de investimento em infraestrutura para combater a Iniciativa Belt and Road da China.

Os líderes europeus ficaram cada vez mais cautelosos com a China nos últimos anos e esses pontos de vista se endureceram nos últimos meses, já que Pequim se recusou repetidamente a condenar a invasão russa da Ucrânia e reforçou seus laços com o Kremlin.

Ainda existem diferenças entre os países sobre como tratar a China, dizem os observadores. Alguns membros da Otan querem garantir que o foco permaneça diretamente na Rússia, enquanto os Estados Unidos –de longe o membro mais poderoso do bloco– classificaram a China como o “mais sério desafio de longo prazo à ordem internacional”.

Mas os desenvolvimentos desta semana, que mostram que a China está mais importante do que nunca nas agendas desses órgãos, sinalizam um crescente alinhamento entre os EUA e seus parceiros.

Eles também marcam um revés significativo para Pequim, que tentou criar uma barreira entre as posições americanas e europeias sobre a China, dizem observadores.

“A combinação do tipo de linguagem usada pelo G7 e [a inclusão formal da China] nos documentos estratégicos da Otan é realmente um golpe para [a China] e algo que eles esperavam e desejavam poder evitar”, disse Andrew Small, um membro sênior no Programa Ásia no The German Marshall Fund dos Estados Unidos.

“É um período excepcionalmente forte em termos de cooperação transatlântica e isso se traduz para a China de maneiras com as quais eles estão muito preocupados”, disse ele.

Na agenda

As preocupações da China ficaram claras nesta semana, quando seu Ministério das Relações Exteriores recuou sobre a possibilidade de ser nomeado um “desafio sistêmico” na nova visão estratégica da Otan, que deve ser aprovada durante a cúpula do bloco, que começou na terça-feira.

O porta-voz do ministério, Zhao Lijian, disse na terça: “A China segue uma política externa independente de paz. Não interfere nos assuntos internos de outros países ou na ideologia de exportação, muito menos se envolve em jurisdição de longo alcance, coerção econômica ou sanções unilaterais. Como a China pode ser rotulada como um ‘desafio sistêmico’? ”

“Pedimos solenemente à Otan que pare imediatamente de espalhar declarações falsas e provocativas contra a China”, disse ele, acrescentando que a Otan deveria “parar de tentar perturbar a Ásia e o mundo inteiro depois de ter perturbado a Europa”.

Mas essa retórica –culpar a Otan pelo “desarranjo” na Europa– é parte do que está impulsionando uma mudança nas perspectivas europeias, dizem analistas, já que Pequim se recusou a condenar as ações da Rússia na Ucrânia, incluindo o assassinato de civis, enquanto culpava ativamente os EUA e a Otan por ter provocado Moscou.

A China “muito rápida e claramente se alinhou –pelo menos em palavras, não tanto em atos– com a Rússia”, enquanto parceiros transatlânticos se uniram contra a Rússia e em apoio à Ucrânia após a invasão, disse Pepijn Bergsen , pesquisador do Programa Europa no think tank Chatham House em Londres.

O contraste entre os dois ajudou a impulsionar uma narrativa emergente de “democracias versus autocracias” na Europa, disse ele, acrescentando que a política interna também desempenha um papel.

“Na Europa Oriental e Central, onde a Rússia é considerada de longe a ameaça número um à segurança, as relações [com a China] já estavam começando a se desgastar, mas o fato de a China estar tão claramente alinhada com a Rússia acelerou uma mudança”, disse Bergsen.

A China, por sua vez, parece ter subestimado a extensão em que sua posição reverberaria por meio de seu relacionamento com a Europa, que já estava em terreno instável após preocupações europeias sobre supostos abusos de direitos humanos em Xinjiang, erosão de liberdades em Hong Kong e pela repreensão econômica chinesa sobre as relações da Lituânia com Taiwan.

Esse erro de cálculo foi mostrado em uma cúpula concisa entre a China e os líderes da União Europeia em abril, na qual a China se concentrou em pontos de discussão sobre o aprofundamento de suas relações e cooperação econômica, enquanto autoridades da UE estavam empenhadas em pressionar a China a trabalhar com ela para intermediar a paz na Ucrânia. A China reivindicou neutralidade e apoia a paz, mas não deu passos concretos nessa direção.

Preocupações crescentes do G7 –formado por Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos– com a China foram refletidas no comunicado conjunto do bloco, divulgado na terça-feira após uma cúpula na Baviera alemã.

O documento, que mencionou a China cerca de uma dúzia de vezes –contra quatro referências na declaração dos líderes do G7 um ano antes– tocou em áreas de cooperação, mas se concentrou em pedir à China que melhore seu histórico de direitos humanos e cumpra as regras internacionais.

E em uma marca de como a Rússia moldou a visão do bloco sobre a China, o grupo pediu a Pequim que “pressione” Moscou a cumprir as resoluções das Nações Unidas e interromper sua agressão militar. A declaração seguiu o que Washington chamou de “lançamento formal” no domingo de uma iniciativa de investimento de US$ 600 bilhões em infraestrutura do G7, anunciada pela primeira vez no ano passado.

A iniciativa, que a UE disse que “demonstrará o poder do financiamento do desenvolvimento quando reflete os valores democráticos”, foi uma aparente tentativa de combater a Iniciativa Belt and Road da China, que os críticos dizem que Pequim usou para construir sua influência global.

‘Desafios colocados’

Mas isso não quer dizer que os pontos de vista na Europa e em ambos os lados do Atlântico estejam alinhados com a China. Isso pode ser mais claramente exibido na Otan, onde exatamente como o bloco de 30 países deve tratar a China tem sido uma área-chave de debate.

Espera-se que o novo documento de estratégia da Otan deixe claro que os aliados consideram a Rússia a “ameaça mais significativa e direta à segurança da Otan”, ao mesmo tempo em que abordam a China e “os desafios que Pequim representa para nossa segurança, interesses e valores” disse pela primeira vez o secretário-geral Jens Stoltenberg antes da cúpula.

Nos últimos anos, quando as declarações da Otan começaram a fazer referência à China, alguns membros e observadores levantaram preocupações de que uma postura muito firme poderia transformar a China em um inimigo.

Outros veem a China como fora dos principais interesses de segurança da região.

Após uma reunião da Otan em junho passado, na qual os líderes caracterizaram a China como um desafio de segurança, o presidente francês Emmanuel Macron minimizou a medida com uma afirmação sarcástica de que “a China não está no Atlântico Norte”.

Algumas dessas preocupações ainda existem, mesmo em meio à narrativa emergente de “autoritários versus democracias” promovida pelos EUA, de acordo com Pierre Haroche, pesquisador em segurança europeia do Instituto de Pesquisa Estratégica (IRSEM, Paris).

“Você quer solidificar o ‘monstro urso-dragão’ para mostrar que há uma clara ‘Guerra Fria’ ideológica entre democracias e autocracias, porque isso é conveniente em termos de narrativa? Ou é [uma melhor] estratégia dizer isso os dois [China e Rússia} são atores muito diferentes… que podem até, no futuro, se opor?”, disse Haroche, resumindo o debate.

Mas mesmo que existam diferenças de visão entre os estados membros, está claro que a Otan está pensando maior na cúpula deste ano, com a inclusão histórica de líderes da Nova Zelândia, Austrália, Coreia do Sul e Japão.

A medida foi recebida com ira na China, onde as autoridades há muito argumentam que a Otan estava buscando expandir sua presença no Indo-Pacífico, que Pequim vê como seu próprio bairro.

“O esgoto da Guerra Fria não pode fluir para o Oceano Pacífico –esse deve ser o consenso geral na região da Ásia-Pacífico”, disse um editorial de terça-feira do tabloide nacionalista Global Times, afiliado ao Partido Comunista.

Mas os observadores caracterizaram isso não tanto como uma expansão da Otan no Indo-Pacífico, mas sim como uma tentativa de fortalecer as relações entre, nas palavras do secretariado da Otan, “países com ideias semelhantes”.

Essas democracias em todo o Pacífico, como suas contrapartes na Europa, podem agora estar vendo as ameaças que enfrentam como mais conectadas, de acordo com Small, do The German Marshall Fund.

“Há muito mais uma sensação emergindo de tudo isso, condicionado pelo desafio da China, pelo desafio da Rússia, de que os aliados democráticos precisam ser coordenados de forma mais eficaz”, disse ele.

Loja Silva
Continue Lendo

Doce Arte
Doce Arte