Fale com a gente
Imobiliária Bom Negócio

Mundo

Taxa de natalidade da China cai pelo quinto ano seguido e atinge patamar histórico

Em 2015, governo afrouxou política do filho único, e casais podem ter até três filhos atualmente

Publicado

em

|Foto: Liu Jidong / Xinhua|
Posto Tonin – Shell Box

A taxa de natalidade da China despencou pelo quinto ano consecutivo, atingindo um novo recorde de baixa em 2021, apesar dos esforços do governo para incentivar os casais a ter mais filhos diante de uma crise demográfica iminente.

O país mais populoso do mundo registrou 10,62 milhões de nascimentos no ano passado, ou apenas 7,5 nascimentos por 1.000 pessoas, de acordo com o Bureau Nacional de Estatísticas da China – marcando o nível mais baixo desde a fundação da China comunista em 1949.

Institucional

O número de nascimentos foi suficiente para superar as mortes, com a população crescendo em 480.000 para 1,41 bilhão. A taxa de crescimento natural caiu para 0,034%, a menor desde a grande fome na China de 1959 a 1961, que matou dezenas de milhões de pessoas e levou a um declínio populacional.

Os novos nascimentos em 2021 caíram 11,6% de 12,02 milhões em 2020 – um declínio mais suave do que a queda de 18% naquele ano, de 14,65 milhões em 2019. Os demógrafos chineses alertaram que, se a tendência de queda continuar, a população da China poderá encolher em breve.

Ning Jizhe, chefe do Escritório Nacional de Estatísticas, disse que o declínio nos nascimentos resultou de uma combinação de fatores, de “uma diminuição no número de mulheres em idade fértil, um declínio contínuo na fertilidade, mudanças nas atitudes em relação à gravidez e atrasos de casamento por jovens”, inclusive devido à pandemia.

A queda na taxa de natalidade ocorre quando o governo chinês aumenta os esforços para incentivar as famílias a ter mais filhos, depois de perceber que sua política de filho único contribuiu para o rápido envelhecimento da população e redução da força de trabalho, o que pode prejudicar gravemente a estabilidade econômica e social do país.

Para conter a queda da taxa de natalidade, o governo chinês anunciou em 2015 que permitiria que casais ​​tivessem dois filhos. Mas após um breve aumento em 2016, a taxa nacional de natalidade vem caindo ano a ano, levando as autoridades no ano passado a afrouxar ainda mais a política para três crianças.

Ning, o oficial de estatísticas chinês, disse que em 2021, 43% das crianças nascidas eram o segundo filho de uma família. Ele disse que a política de três filhos deve aumentar gradualmente os nascimentos e que “a população total da China permanecerá acima de 1,4 bilhão por um período de tempo”.

Durante décadas, os governos locais forçaram milhões de mulheres a abortar gestações consideradas ilegais pelo Estado sob a política do filho único. Agora, eles estão produzindo uma enxurrada de slogans de propaganda e políticas para incentivar mais nascimentos. Os incentivos comuns incluem doações em dinheiro, subsídios imobiliários e extensão da licença maternidade.

No ano passado, mais de 20 governos provinciais ou regionais alteraram suas leis de planejamento familiar, incluindo a extensão da licença maternidade para as mulheres.

Por exemplo, a província oriental de Zhejiang oferece 188 dias de licença maternidade para o terceiro filho; e na província de Shaanxi, no norte, as mulheres podem desfrutar de 350 dias de licença remunerada para ter um terceiro filho, de acordo com relatos da mídia estatal.

Mas as políticas não conseguiram convencer muitas mulheres, que temem ficar ainda mais em desvantagem à medida que as empresas procuram evitar o encargo financeiro extra.

O alto custo de criar filhos também está impedindo os pais de terem mais filhos, especialmente entre a crescente classe média do país.

Os altos preços dos imóveis na China e os custos crescentes da educação, especialmente nas grandes cidades, têm sido frequentemente citados em pesquisas como os principais fatores que impedem os casais de ter mais filhos.

Ambos os setores foram colocados no centro das atenções este ano, com a crise da dívida em torno da gigante imobiliária Evergrande e a repressão abrangente do governo chinês à indústria de aulas particulares.

Ortobom
Continue Lendo

Doce Arte
Certo Imóveis – Janeiro 2022