Fale com a gente
Alpha Investimentos

Agronegócio

Brasil se consolida como maior produtor de ração animal da América Latina, diz levantamento

Em 2023, o aumento na produção e exportação dos setores de aves e suínos impulsionou a fabricação brasileira.

Publicado

em

FOTO: Canal Rural.
Providência

Em 2023, o aumento na produção e exportação dos setores de aves e suínos impulsionou a fabricação brasileira de ração animal. Um levantamento apontou o Brasil como o maior produtor de ração animal da América Latina e o terceiro maior do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

De acordo com o levantamento “Alltech Agri-Food Outlook 2024“, o Brasil encerrou 2023 com um crescimento de 1,84% em relação ao ano anterior, produzindo cerca de 1,5 milhão de toneladas de ração animal. Globalmente, a produção de ração ficou estável em 1,29 bilhão de toneladas métricas, uma leve queda de 140 mil toneladas.

Funerária Alemão

Segundo Paulo Rigolin, vice-presidente da Alltech para a América Latina, “ficando atrás só da China e dos Estados Unidos, o Brasil conseguiu, somando todas as espécies, alcançar esse crescimento. A presença no mercado global, especialmente com a influenza aviária controlada, proporcionou oportunidades no mercado externo, resultando em um aumento nas exportações.”

A pesquisa revelou que o incremento na produção brasileira de ração foi impulsionado principalmente pelo setor de animais de estimação, seguido pela nutrição de frangos de corte, aquicultura, suínos, aves de postura e equinos. O estudo reuniu dados de 142 países e mais de 27 mil fábricas de ração.

Produção paranaense

Os desafios mundiais do setor de proteína animal, devido à influenza aviária, também colaboraram para a expansão da produção brasileira de frangos de corte. O Paraná, principal produtor da proteína no país, registrou um abate de 2,155 bilhões de frangos, alcançando o melhor resultado da história em 2023, com um crescimento de 5,4%.

Fábio Mezzadri, técnico do Sistema FAEP Senar, destaca: “A gripe aviária não interferiu, novos mercados foram abertos no Paraná, e houve um aumento na exportação de aves e no consumo interno. Isso resultou em um aumento na produção de ração.”

O Paraná também registrou um crescimento de 5,7% na produção de suínos, com 12 milhões de suínos abatidos em 2023, ocupando a segunda posição no ranking nacional. Além disso, a Federação da Agricultura do Estado destacou o crescimento de coprodutos para a fabricação de ração para pets a partir da expansão no abate do setor de proteína animal.

Nicole Wilsek, técnica do Sistema FAEP Senar, explica: “O aumento no abate de suínos e aves aumenta a oferta de subprodutos para a alimentação de pets. Esses subprodutos, que seriam descartes, são de extrema importância para a produção de alimentação de pet devido ao seu alto valor nutritivo.”

Com informação Canal Rural.

Imobiliária Maurício Vazquez
Continue Lendo

Doce Arte
Doce Arte