Fale com a gente
Pato Comércio Local

Geral

‘Pablo Escobar brasileiro’: veja o momento em que Major Carvalho é preso na Hungria

Sérgio Roberto de Carvalho é de Ibiporã, no norte do Paraná, e ex-major da Polícia Militar (PM) do Mato Grosso do Sul. Polícia afirma que ele comanda organização internacional de tráfico de drogas.

Publicado

em

Polícia Federal deve pedir a extradição de Carvalho ao Brasil — Foto: Divulgação/Interpol
Martin Luther – Enem

Imagens gravadas por agentes da Interpol mostram o momento em que o paranaense Sérgio Roberto de Carvalho, conhecido como “Pablo Escobar brasileiro” foi preso nesta terça-feira (21) na Hungria.

Natural de Ibiporã, no norte do Paraná, Carvalho é ex-major da Polícia Militar do Mato Grosso do Sul e acusado de comandar uma organização internacional de tráfico de drogas. Procurado há dois anos por autoridades internacionais, ele foi abordado pelos agentes em um bar da capital Budapeste.

Institucional

A Polícia Federal em Curitiba afirma que pedirá a extradição do ex-major para o Brasil e que negocia detalhes burocráticos. Outros países da Europa, onde o traficante é investigado, também têm interesse nessa extradição, mas as autoridades brasileiras querem que ele responda pelos crimes aqui.

De acordo com a Polícia Federal, o esquema comandado pelo ex-policial envia drogas à Europa, Ásia e África por meio de portos brasileiros. Um dos principais pontos de saída da droga, mostram as investigações, seria o porto de Paranaguá, no Paraná.

Do início de 2018 ao fim de maio deste ano, mais de 31 toneladas de cocaína foram apreendidas no porto de Paranaguá, informa a Receita Federal. As investigações da PF indicam que a maior parte das remessas pertencia à organização comandada pelo ex-major.

A Polícia Judiciária portuguesa e autoridades brasileiras auxiliaram na prisão. A polícia portuguesa liga o nome do ex-major à apreensão de quase 580 quilos de cocaína em um avião privado em fevereiro.

Sérgio Roberto de Carvalho: ex-major da PM — Foto: Reprodução/Fantástico

Com identidade falsa, fingiu morte para despistar autoridades

Na Europa, o ex-major se escondia com uma identidade falsa: ele fingia que era um empresário do Suriname chamado Paul Wouter.

Vivia em uma mansão avaliada em 2 milhões de euros na cidade de Marbella, no sul da Espanha.

Em agosto de 2020, a polícia da Espanha o prendeu por suspeitar que ele tinha levado cocaína para a Europa em um barco, mas sem saber que o homem, na verdade, era o brasileiro Major Carvalho. Foi detido como se fosse Paul Wouter.

O brasileiro pagou fiança e foi solto. Para não ter que comparecer a um tribunal de Justiça, enviou um atestado de óbito de Paul Wouter e inventou que o personagem que ele havia criado tinha morrido de Covid-19.

Depois disso, as autoridades brasileiras alertaram que o homem, na verdade, não era do Suriname e nem tinha esse nome.

Marki Farma 2022
Continue Lendo

Doce Arte
Novo Banner Loja Mix