Fale com a gente
Lar

Datas comemorativas

Símbolo do Paraná, dia nacional da Araucária é comemorado neste 24 de junho

A espécie foi de fundamental importância para o desenvolvimento do nosso Estado, com o passar dos anos, a árvore tornou-se símbolo do Estado do Paraná

Publicado

em

|FOTO: Wikipédia|
Gramado Presentes

Em 2005, através de um decreto presidencial, foi criado o Dia Nacional da Araucária, comemorado no dia 24 de junho. Desde sua Classificação – em 1819 por Giuseppe Bertolini – A espécie foi de fundamental importância para o desenvolvimento do Estado. Com o passar dos anos, a árvore tornou-se símbolo do Estado do Paraná (inclusive representado em nossa bandeira e em nosso Brasão) e é a conífera mais antiga já classificada. Além da beleza, a Araucária também contribuiu com a economia do Estado em razão da qualidade da sua madeira. 

“A espécie já chegou a cobrir 20 milhões de hectares na Floresta Ombrófila Mista. Hoje a área foi reduzida a 8% da cobertura original, motivo pelo qual está na lista de espécies ameaçadas de extinção e protegida por lei”, conta o Engenheiro Agrônomo Amauri Ferreira Pinto, Extensionista do IDR-Paraná e coordenador estadual de cultivos florestais do Instituto.

Avisul

A Araucária já teve seu cultivo como importante componente de renda das pequenas propriedades rurais, porém atualmente as restrições severas para o corte e comercialização fazem com que produtores e serrarias sintam-se inseguros para plantar e industrializar. “Temos trabalhado junto à Assembleia Legislativa para sanar essa insegurança com a aprovação de importantes leis, como a 20.223/2020”, conta Amauri. 

De acordo com o Engenheiro Agrônomo, além da madeira, a Araucária também carrega outra importante fonte de renda. “Ela pode ajudar no aumento da renda anual dos produtores através do seu cultivo para produção de pinhões por hectare, que pode chegar a R$ 5 mil/ano quando cultivado de forma semelhante à fruticultura”, comenta Amauri. 

Embora seu cultivo signifique uma possível fonte de renda, dados do Deral (Departamento de Economia Rural da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento do Paraná) mostram que houve redução, entre 2012 a 2016, de mais de 50% na quantidade produzida. 

“Passamos de 6,1 mil para pouco mais de 3 mil toneladas anuais. O número de produtores e a área de plantio também reduziu, passando de 4.800 produtores para 1.200 e de 41 mil hectares para pouco mais de 8 mil hectares sendo explorados para a coleta do pinhão”, destaca Amauri. 

A redução significativa tem uma explicação. De acordo com o Engenheiro Agrônomo está na insegurança de muitos produtores em relação à legislação. Mesmo assim, ações iniciadas pelo Instituto têm dado novas esperanças. “Este ano esperamos uma produção de 4.750 toneladas de pinhão, um aumento em relação às 5.300 de 2022”.

Entre as ações do Departamento, está a organização da cadeia produtiva que vai desde a adoção de novas tecnologias até o desenvolvimento de equipamentos para a industrialização destinado a grupos de produtores e garantindo assim melhores preços à produção e oferta contínua aos consumidores. 

“Com o Pinhão descascado e embalado nas gôndolas dos supermercados e para restaurantes conseguiremos agregar ainda mais valor à produção, desenvolvendo máquinas específicas, bem como a introdução de novos materiais genéticos direcionados à produção de pinhões mais produtivos e precoces. Isso também significará mais renda para o produtor”, afirma Amauri. 

Cenário Futuro frente a ação

Segundo Amauri, a expectativa é de revolucionar e estimular o ambiente de produção da Araucária nos próximos anos. “Queremos promover o aumento de renda para produtores e triplicar o VBP estadual em longo prazo (10 anos), superar gargalos tecnológicos e alcançar economias de escala coletivas tanto de produção quanto de industrialização. Além disso, queremos aproximar os integrantes da cadeia produtiva e aumentar a competitividade dos produtos das propriedades rurais”. 

Objetivos para os próximos anos

De acordo com o Engenheiro Agrônomo, o IDR vem trabalhando e definindo objetivos para os próximos anos. Entre eles, inserir a Araucária no contexto das florestas plantadas com ênfase à produção de pinhões, conduzida como atividade semelhante à fruticultura; criar associações e cooperativas de produtores de pinhão para industrialização e comercialização visando produtividade em pinhões; implantar pomares de produção precoce; promover a inserção em indústrias do mobiliário e alimentos; criar centrais de processamento e armazenagem, desenvolver modelo de certificação, entre outros.

Para Amauri, se os trabalhos visando a produção do pinhão são positivos, para a produção de madeira ainda requer paciência. “Deveremos levar mais uns 5 anos para o retorno à produção de madeira. Somente a partir de indicadores e critérios para uma produção sustentável é que devemos voltar à produção de madeira serrada do Pinheiro do Paraná”.

 Atualmente, as principais regiões produtoras pela presença natural da Araucária são: Centro-Sul (49%), Sudoeste (31%) e região Metropolitana de Curitiba (17%), onde a ocorrência da Araucária é natural e abundante.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Federação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná

El bigodon nova
Continue Lendo

Doce Arte
Novo Banner Loja Mix