Fale com a gente
Desafio APAE

Agronegócio

Carne bovina: ‘Brasil pode passar a exportar 35% da produção em breve’

Com o consumidor brasileiro descapitalizado e a forte demanda internacional, analistas acreditam que o mercado externo será cada vez mais importante

Publicado

em

Silveira institucional

A arroba do boi gordo segue em alta nos mercados físico e futuro. Quem vê as cotações recordes pode pensar que o pecuarista está vivendo seu melhor momento, mas não é bem assim.

De acordo com o analista de mercado Leandro Bovo, da Radar Investimentos, os custos de produção subiram muito mais do que o valor pago pelo animal terminado. Assim, a rentabilidade de alguns produtos está menor do que a média histórica.

“E não é só o milho e a soja que subiram. O principal custo da produção, que é a reposição, seja boi magro ou bezerro, subiu mais do que o boi gordo”, diz. “A margem não está nos melhores momentos da história”, complementa.

Para este ano, o analista não acredita que a oferta vá aumentar o suficiente para reverter o cenário atual. Ele lembra que, claro, com o tempo mais seco e a perda de qualidade das pastagens, pecuaristas vão vender mais animais, “mas a oferta vem num nível e num percentual menor do que aconteceria em anos normais de mercado”.

Exportações cada vez mais importantes para a carne bovina

Tradicionalmente, o Brasil exportava entre 20% e 25% da produção de carne bovina. Agora, segundo Bovo, os embarques já representam 30% do total e podem chegar a 35% em breve. Isso é uma consequência direta da desvalorização do real frente ao dólar, o que torna a proteína nacional mais competitiva lá fora.

“A tendência é que isso continue ou até se acentue. As exportações são cada vez mais relevantes para o escoamento da produção brasileira”, afirma o analista de mercado..

O comentarista Miguel Daoud concorda. Segundo ele, trata-se de uma mudança estrutural na cadeia produtiva, amparada pela tendência de um real fraco em relação à moeda norte-americana. Com o acirramento das tensões políticas no Brasil e os problemas para reativar a economia, o câmbio pode chegar até R$ 6.

E o dólar elevado também leva à maior exportação de grãos, provocando novos aumentos nos custos. Diante disso, Daoud recomenda que produtores invistam na diversificação da produção, como os sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta, para otimizar os custos.

Segundo o comentarista, a pecuária brasileira também terá que melhorar a qualidade da carcaça, para seguir exportando para países mais exigentes, como a China, que oferece preços maiores pela carne bovina.

Com informações de Canal Rural

Dia das Mães – Perfumare
Espaço Homem