Fale com a gente
Desafio APAE

Agronegócio

Boi gordo tem dia de recuo nos preços com pontual melhora da oferta

Os frigoríficos sinalizam para uma posição mais confortável em suas escalas de abate em alguns estados, mas oferta maior só deve ser observada em maio

Publicado

em

Silveira institucional

 mercado físico de boi gordo registrou preços mistos nesta terça-feira, 13. Segundo o analista de Safras &
Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos sinalizam para uma posição mais confortável em suas escalas de abate em alguns estados. “A tendência é que a curva de preços se inverta a partir da segunda quinzena,
quando a reposição entre atacado e varejo costuma fluir de maneira mais lenta. De qualquer forma a expectativa é de maior robustez de oferta a partir do mês de maio, quando as pastagens apresentam menor qualidade em função do clima seco e o pecuarista acaba perdendo capacidade de retenção, este período costuma marcar o auge da safra de boi gordo”, diz.

Já a demanda doméstica de carne bovina permanece positiva durante a primeira quinzena de abril, considerando que além da entrada dos salários na economia há também uma nova rodada do auxílio emergencial motivando o consumo de produtos básicos. “Outro aspecto a ser considerado é o bom desempenho das exportações, com a China absorvendo bons volumes de proteínas animal brasileira nas últimas semanas”, assinala Iglesias.

Primeiro Banner

Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou a R$ 320 a arroba, ante R$ 321 na segunda-feira. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 304 – R$ 305, ante R$ 304. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 306 – R$ 307, ante R$ 308 a arroba. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 307 a arroba, inalterada. Em
Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 313 a arroba, contra R$ 314.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram de estáveis a mais altos. Conforme Iglesias, a expectativa é que essa semana ainda seja pautada por uma boa reposição entre atacado e varejo, com possibilidade de novos reajustes no curto prazo. “O consumo doméstico apresenta uma primeira quinzena bastante positiva, considerando que além da entrada dos salários há também uma nova rodada do auxílio emergencial. O afrouxamento das medidas de distanciamento social em alguns estados também permite uma atuação mais enfática de bares, restaurantes e de outros estabelecimentos”, aponta Iglesias.

Com isso, o corte traseiro permaneceu em R$ 20,65 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 18,00 o quilo, com alta de 20 centavos, e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,70 o quilo.

Com informações de Canal Rural

Torres Di Maranello
Espaço Homem