Fale com a gente
dengue

Agronegócio

Boi chega a patamar inédito e arroba é vendida a R$ 321

Houve pontual avanço da oferta em alguns estados, mas no entanto muitos negócios ainda são realizados acima da referência média

Publicado

em

Foto/arquivo Portal Rondon

O mercado físico de boi gordo segue com preços firmes. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, houve pontual avanço da oferta em alguns estados, mas no entanto muitos negócios ainda são realizados acima da referência média.

Os frigoríficos ainda se deparam com dificuldades na composição de suas escalas de abate, posicionadas entre dois e quatro dias úteis. “A tendência é que o volume de animais terminados seja mais expressivo a partir do mês de
maio, período em que as pastagens tendem a apresentar queda da qualidade em função do clima seco, nesse ambiente os pecuaristas tendem a perder capacidade de retenção, período que costuma marcar o ápice da safra do boi gordo”.

Primeiro Banner

”Do ponto de vista da demanda segue o otimismo em torno da entrada dos salários na economia, somado a uma nova rodada do auxílio emergencial, mesmo com uma parcela menor a tendência é que haja estímulo ao consumo de produtos básicos. As exportações seguem como uma variável importante, pois as flutuações cambiais ainda tornam a carne bovina brasileira extremamente competitiva no mercado internacional” completa Iglesias.

Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou a R$ 321 a arroba, ante R$ 320 na terça-feira, 6. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 301, ante R$ 300. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 307, contra R$ 306. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 306 a arroba, ante R$ 307,00. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 314, contra R$ 313.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram estáveis. Conforme Iglesias, a tendência de curto prazo ainda remete a reajustes durante a primeira quinzena do mês, período que conta com maior apelo ao consumo.
Além da entrada dos salários na economia precisa ser considerada uma nova rodada do auxílio emergencial fomentando o consumo de produtos básicos. Na carne bovina a tendência é que esse adicional de recursos gere avanços mais consistentes nos preços do quarto dianteiro, que é mais acessível. O cerceamento das atividades de bares, restaurantes e de outros estabelecimentos é um fator importante a ser considerado, dificultando a venda das linhas premium dos frigoríficos.

Com isso, o corte traseiro seguiu em R$ 20,50 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,55 o quilo, e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,30 o quilo.

Com informações de Canal Rural

banner espaço novo