Fale com a gente
Bonni Restaurante

Geral

Testemunha afirma que grupo de indígenas estava em ritual sagrado quando foi atingido por tiros em Guaíra

Conflito envolvendo grupo terminou com 4 feridos. Ministério dos Povos Indígenas diz que área está em processo de regularização e trata caso como ataque ao povo Avá-Guarani

Publicado

em

|Foto: PM/PR|
lift training

Uma mulher indígena que preferiu não ser identificada afirmou que o grupo de indígenas atingido por disparos de arma de fogo na noite de quarta-feira (10) realizava um ritual sagrado quando foi atingido em Guaíra, no oeste do estado.

“A gente ficou sem reação. Foi quando a mulher que estava na frente do nosso altar sagrado, ela já estava deitada esticada no chão, gritando, foi quando a gente teve essa noção de que foi o tiro”, disse a mulher.

Ótica da Visão

De acordo com a Polícia Militar (PM), três indígenas foram baleados por “indivíduo não conhecido” e que após as agressões sofridas, um homem foi agredido e feito refém pelos indígenas, mas foi liberado na sequência. Todos os feridos receberam atendimento médico. 

O depoimento da testemunha que presenciou o episódio foi divulgado pela Comissão Guarani Yvyrupa (CGY), organização indígena de coletivos do povo Guarani na luta pela terra. Ela afirmou que eles demoraram a entender que eram tiros e só perceberam quando viram as vítimas feridas.

O Ministério dos Povos Indígenas trata o caso como ataque ao povo Avá-Guarani e, a pedido da pasta, o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) autorizou a atuação da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) na região.

No relato, a indígena afirmou ainda que não foi possível identificar o possível autor dos disparos.

“Não conseguimos identificar também o autor do disparo, porque estávamos num local que não tinha nenhum ponto de luz, então era tudo escuro. O único que estava iluminando no momento era onde nós fizemos uma fogueira, os costumes, fizemos uma fogueira”.

Em nota divulgada sobre o caso, o Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) diz que as equipes foram recebidas por grupos de indígenas armados com arcos e flechas, facões onde foram disparadas algumas flechas e pedras contra a equipe, mas que nenhum policial foi ferido.

A indígena, no entanto, afirma que nenhum indígena confrontou os policiais.

Clube Náutico
Continue Lendo

Doce Arte
Doce Arte