Fale com a gente
Tic Tac

Agronegócio

Paraná apresenta experiência sobre fim da vacinação contra aftosa em fórum estadual

Apresentação aconteceu durante o VI Fórum Estadual de Vigilância para Febre Aftosa em Campo Grande (MS), que abordou temas como o reconhecimento internacional pela atuação contra a enfermidade e os desafios após a conquista do status de área livre de aftosa sem vacinação.

Publicado

em

Foto: Adapar
Gramado Presentes

O gerente de Saúde Animal (GSA) da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Rafael Gonçalves Dias, apresentou aos municípios nesta quarta-feira (22), no VI Fórum Estadual de Vigilância para Febre Aftosa, a experiência do Paraná na interrupção da vacinação contra a febre aftosa e na conquista do reconhecimento internacional de área Livre de febre aftosa sem vacinação.

O fórum aconteceu na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul), em Campo Grande (MS), e abordou temas como a retirada da vacinação no MS, ocorrida em abril deste ano. Também foram pautas do evento o reconhecimento internacional pela atuação contra a enfermidade e os desafios após a conquista do status de área livre de aftosa.

Ótica da Visão

Rafael Dias compartilhou a experiência do Paraná nos últimos anos destacando benefícios e desafios da retirada da vacinação contra a doença no Paraná. Segundo ele, apresentar a experiência do Paraná para outros estados é uma medida significativa para as regiões que buscam alcançar o status de livre da doença sem vacinação. Esse processo, de acordo com ele, envolve uma série de desafios e decisões estratégicas, e compartilhar experiências com outros estados pode trazer muitos benefícios.

“É importante principalmente no que se refere à troca de conhecimento técnico, à padronização dos protocolos de vigilância, monitoramento e controle da doença e ao fortalecimento da colaboração entre as diversas entidades envolvidas na erradicação da febre aftosa”, afirmou.

EXPERIÊNCIA

Com o trabalho do governo estadual junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária, setor privado e organismos internacionais, a imunização contra a aftosa foi interrompida em 2019 no Paraná e a campanha de vacinação, que acontecia duas vezes por ano, foi substituída pela de atualização de rebanhos. Atualmente o cadastro é obrigatório para garantir a rastreabilidade e a sanidade dos animais.

Em maio de 2021, o Paraná obteve o reconhecimento internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação. Essa conquista possibilitou abertura de mercados para as proteínas animais paranaenses e faz da defesa agropecuária do Estado uma referência.

refran
Continue Lendo

Doce Arte
Doce Arte